Inglês Corporativo

Como superar o medo de falar inglês no trabalho?

Medo de falar inglês
Escrito por Fluenglish

Não adianta: o medo é algo intrínseco ao ser humano. Seja o de não agradar a quem a gente gosta, o pavor de ter um filho, a fobia de algum tipo de animal, o pânico de perder o emprego ou até o medo de falar inglês no trabalho. E nem sempre esse medo é algo lógico. Por exemplo, algumas pessoas, mesmo conhecendo bem outra língua, simplesmente não têm coragem de falar esse idioma nem por meio de mensagens de voz, como no WhatsApp.

Agora, imagine ter esse medo e precisar usar o inglês em sua rotina e no trabalho. Isso é muito comum e até compreensível, principalmente para quem está começando a aprender uma outra língua. Mas quem tem esse medo não pode se conformar. Se tornar refém dele — ainda mais quando já se detém algum conhecimento do idioma — não é a melhor alternativa.

Este artigo é justamente para quem precisa superar esse medo. Com as dicas que daremos a seguir, nosso objetivo é te ajudar a expor suas ideias e manter diálogos em inglês — seja no trabalho ou em qualquer outro lugar — sem travar com o receio de errar na frente dos outros.

Se você se identifica com essa situação, não se iluda: dificilmente alguém supera um medo de uma hora para a outra. Mas seguindo, os conselhos que daremos adiante, é muito provável que, em breve, você vá rir desse medo de falar inglês em público. Duvida?

1. Aceite o seu medo

Como já dito, o medo é uma característica do ser humano. E, para ser capaz de superá-lo, é necessário que você se exponha a ele. Conforme afirma o psicólogo Miguel Lucas, o medo alimenta-se do próprio medo. Então, você precisa eliminar seu medo para não o deixar crescer. E o primeiro passo para fazer isso é justamente o aceitando.

Combater o medo de falar inglês ou qualquer outro idioma em público exige a confirmação da existência desse medo. E mais: aceitar que ele lhe é prejudicial. Somente a partir daí é que você poderá estabelecer estratégias para combatê-lo. Afinal, não é possível lutar contra aquilo que não reconhecemos.

Após aceitá-lo, uma proposta interessante é que você use a Hierarquia do Medo. Trata-se de uma técnica de dessensibilização sistemática proposta pela terapia comportamental. Para aplicá-la, você deve se expor gradativamente às situações que lhe provocam medo. Ou seja, se você teme falar inglês no trabalho, comece se propondo a falar inglês sozinho em voz alta. Depois, você pode buscar o auxílio de um professor de inglês, um amigo ou até estranhos.

Assim, conforme você vai evoluindo na hierarquia e se sentindo mais seguro na interação com as demais pessoas em outro idioma, poderá gradativamente se expôr a situações que te despertariam um medo ainda maior. Ao final, você perceberá que estará conversando tranquilamente com estranhos e até usando o idioma estrangeiro para fechar negócios em inglês no trabalho.

Essa tática te ajudará facilmente a perceber que, de fato, o seu problema não era o conhecimento da língua ou a capacidade de compreendê-la. Da mesma forma, ela te ajudará a reconhecer as suas verdadeiras dificuldades com o idioma. 

2. Reconheça as dificuldades 

No decorrer do aprendizado de uma língua estrangeira, ignorando o medo de se sentir ridicularizado por falar errado, o estudante se depara com diversas dificuldades. Isso é extremamente normal e esperado. Afinal, aprender uma nova língua é agregar o conhecimento de novas palavras, com uma escrita que pode ser muito diferente do idioma nativo.

Além disso, mesmo entre línguas que possuem um parentesco próximo, como o espanhol e o português, a sonoridade das letras e até o significado de palavras aparentemente similares podem ser muito diferentes. Portanto, é preciso reconhecer as inúmeras dificuldades de aprender um novo idioma. No entanto, essas dificuldades não podem, jamais, serem encaradas como empecilhos para a aprendizagem.

Muito pelo contrário. Ao reconhecer as suas dificuldades para aprender o inglês, por exemplo, você se torna capaz de estabelecer metas. Cumprir essas metas é o que você precisará para atingir o seu maior desafio, que é se tornar fluente no idioma.

Outro ponto importante para reconhecer suas dificuldades com um idioma é se tornar capaz de aprender com seus erros. Sempre que alguém corrigir a sua fala ou você identificar um deslize, seja grato. É reconhecendo a sua falha que você terá a oportunidade de aprimorar seu conhecimento e a fluidez na língua estrangeira em questão.

3. Melhore a sua concentração 

Foco é a receita básica para qualquer aprendizado. No inglês, você precisa de foco para exercitar a sua conversação. Portanto, também é importante que você se concentre na execução das atividades que o ajudam a eliminar o medo de falar idiomas em público.

Da mesma forma, quando você for interagir com as pessoas em outros idiomas, é preciso manter a concentração para que não se perca no raciocínio e consiga acompanhar o ritmo do outro. E isso se torna ainda mais importante se você estiver muito acostumado a pensar em português antes de falar em inglês.

Então, ao começar um diálogo em outro idioma, foque no que a pessoa fala e evite se dispersar. Além disso, aprenda a raciocinar no idioma em que você está conversando, seja ele o inglês ou qualquer outro.

4. Mantenha sua mente pensando em inglês 

Essa outra dica é muito básica, mas é sempre bom repeti-la — principalmente porque não pensar em inglês é justamente a maior dificuldade no aperfeiçoamento da conversação. Quando estamos conversando com alguém em outro idioma, é muito comum que fiquemos pensando em português para, então, traduzir mentalmente a ideia e expressá-la em inglês. Só que isso nos deixa mais lentos, ainda mais se estivermos interagindo com um nativo da língua inglesa. 

Com isso, a insegurança de qualquer um aumenta. Portanto, precisamos brincar de assumir uma nova identidade ao conversar em outro idioma. Aliás, muitas pessoas alegam que, ao falarem em outro idioma fluentemente, elas percebem uma considerável mudança em seus trejeitos físicos e até na intensidade de suas vozes. 

Então, procure impedir o seu cérebro de pensar em português quando você precisar se comunicar em inglês. Isso facilitará muito a sua interação com o outro e reduzirá a sua insegurança.

5. Leia textos em voz alta 

Ouvir a nossa própria voz costuma ser algo estranho para a maioria das pessoas. Se você duvida, faça o teste e pergunte para as pessoas ao seu redor o que elas acham de suas vozes quando as escutam gravadas. É quase unanimidade. De modo geral, elas sabem que as vozes são delas, mas não se identificam. Isso acontece porque o nosso corpo funciona como uma espécie de caixa acústica. Assim, o som que ouvimos ao falar não é igual ao som que as outras pessoas ouvem.

Agora, pense no efeito dessa variação conversando em outro idioma. Pode ser catastrófico quando juntamos a estranheza de ouvir a nossa voz com a pronúncia de uma língua estrangeira com a qual ainda não estamos habituados. E é muito natural que essa combinação cause ou mesmo reforce o medo de falar em público.

Para eliminar esse mal, precisamos nos acostumar com a nossa voz. Então, o primeiro passo é você se gravar conversando. Quanto mais você ouvir a sua própria voz, menor será essa sensação de estranhamento. Mas, para que essa tática tenha melhor proveito no uso de outro idioma, você precisa se gravar também falando nesta outra língua. Portanto, pegue livros em inglês e passe a gravar a sua leitura em voz alta.

Além de te permitir se acostumar com a sua voz, essa técnica lhe ajudará a identificar pontos que necessitam de melhoria na própria pronúncia do inglês. No começo, você deve usar textos mais simples. Mas, com o tempo, precisa ir aumentando a dificuldade do exercício e pode até chegar em textos difíceis, como as obras de Shakespeare.

O desafio de ler Shakespeare se deve ao fato de que seus textos foram escritos com variações mais antigas do idioma, como o arcaico — ou anglo-saxão —, que é uma forma primitiva do inglês e tem muita influência da língua germânica, do frísio antigo e do norueguês antigo. Mas não se preocupe em chegar a este nível. O inglês arcaico costuma ser muito difícil até mesmo para os nativos de países de língua inglesa.

6. Crie diálogos entre duas pessoas

Após treinar um pouco da leitura em inglês, você certamente já estará apto a escrever seus próprios diálogos, mesmo que sejam pequenas histórias e que você não acredite na qualidade literária delas. Lembre-se de que a sua meta não é escrever obras de qualidade similar às shakespearianas, mas sim se munir do máximo possível de experiência para se sentir seguro e não ter medo de falar inglês em público.

Para ajudar esse processo, além de criar os diálogos, você deve encenar cada uma das falas. Se você é uma pessoa muito tímida, pode fazer isso até mesmo trancado no quarto ou durante o banho. Não há necessidade de ter plateia, pois, afinal, trata-se apenas de um simples exercício para desinibição e não para virar um exímio ator de Hollywood!

Se possível, grave também esses diálogos para que você possa ouvir a si próprio e, reconhecendo suas dificuldades, ser capaz de identificar os pontos que deve melhorar. Uma outra dica muito boa é pegar um filme que você gosta muito ou suas melhores séries e fazer como as crianças fazem: imitar os atores, decorando as falas e fazendo a encenação.

Aliás, podendo comparar a sua pronúncia com a de um ator nativo americano, por exemplo, ficará muito mais fácil para você perceber em que está errando ou ver que não tem motivos para temer não ter sucesso em uma reunião em inglês no trabalho.

7. Ouça músicas

Uma das formas mais fáceis de aprender inglês, assim como de fazer a manutenção do seu conhecimento e adquirir maior confiança, é por meio da música. Para isso, a dica é muito simples: pegue as músicas de suas bandas preferidas e trabalhe com a letra delas.

Além de ouvi-las com atenção, atento à pronúncia das palavras e à construção das orações, coloque-as no papel e faça a tradução das letras sem o auxílio daqueles sites que te entregam toda a letra de uma música em outro idioma. Esforce-se para que toda a tradução seja de sua autoria. Depois, você pode até comparar com a tradução oferecida na internet para avaliar o seu próprio trabalho.

Outra maneira de usar as músicas para aprimorar o conhecimento de qualquer idioma, não apenas o inglês, é tentar transformar a letra delas. Troque palavras por seus sinônimos, prezando pela sonoridade, e até elabore paródias em inglês. Isso tudo ajuda a fixar os significados, desenvolver a desinibição necessária para falar em público e conhecer melhor a língua estrangeira.

Em outras palavras, permita-se usar o inglês de forma mais divertida. Aliás, esta é a próxima dica. 

8. Faça do inglês um hábito divertido 

No item anterior, falamos de aprender inglês com música. Porém, só escrever as letras e traduzir ainda não gera um resultado interessante — principalmente para quem quer falar inglês no trabalho, com outras pessoas e até profissionais nativos. Por isso, é interessante levar o uso da música na rotina do aprendizado do inglês para um outro patamar.

Como? Muito simples: usando a sabedoria japonesa para se divertir. Apesar de ser possível fazer isso de várias formas, vamos destacar apenas duas. Uma delas é usando a própria música, com o karaokê! Além de ser uma forma de se divertir de maneira bem desinibida, ajuda a treinar o idioma. Ou seja, trata-se de uma excelente maneira de se liberar do medo de falar inglês em público.

Então, reúna os amigos e escolha uma variedade de músicas na língua inglesa. Opte por aquelas com ritmos mais lentos, que geralmente permitem uma melhor percepção da pronúncia dos cantores. Mas não deixe de fora aquelas com ritmo acelerado, que demandam mais atenção na letra e destreza na dicção. Ao tornar essa atividade prazerosa e divertida, o medo não terá como se alimentar e crescer. Logo, você deixará de se importar com o que as pessoas possam pensar a respeito do seu uso do idioma.

Outra forma interessante, que ajuda a fixação do idioma, é o uso de jogos. Mas só é válido se forem utilizados jogos totalmente em inglês. Alguns deles podem ser jogados diretamente na internet. Esses estimulam a interação com pessoas do mundo todo que, geralmente, se utilizam do inglês escrito ou falado para se comunicar uns com os outros.

O recomendado, de fato, é que você sinta prazer em aprender e praticar o idioma. Assim, ele será incorporado de uma tal maneira à sua rotina que não despertará medo algum de usá-lo em público.

9. Encontre pessoas que aprovem seu aprendizado 

A busca de apoio externo é um importante modo de reforçar a nossa segurança e nos dar mais ânimo no enfrentamento do medo de falar inglês. E não importa se essas pessoas que aprovam o seu aprendizado sejam um colega de trabalho, um professor particular, o namorado ou mesmo alguém da família.

Aliás, quando o suporte é dado por uma pessoa pela qual temos apreço e da qual apreciamos a opinião, o resultado tende a ser ainda melhor.

Então, não esconda que você está estudando inglês ou buscando vencer os seus medos. Inclusive, é válido montar grupos de estudo no trabalho. Quando você menos esperar, poderá receber uma palavra ou um depoimento que te deixará ainda mais motivado a enfrentar os seus temores.

10. Converse com desconhecidos

Em boa parte das vezes, o medo de falar inglês em público está baseado na importância que o outro tem para nós. Assim, um colega de trabalho, seu chefe ou um familiar poderão te despertar mais medo de conversar em outro idioma do que uma outra pessoa que você não conhece e com a qual nunca mais irá manter contato.

Sob essa perspectiva, uma excelente ferramenta para você treinar mais a sua conversação em inglês são os chats da internet. Por exemplo, existe um serviço chamado Chatroulette, pelo qual você consegue conversar através de áudio e vídeo com pessoas de todo o mundo. Aliás, muitas das pessoas que fazem uso dessas ferramentas estão lá justamente para treinar um idioma estrangeiro.

O funcionamento é muito simples: você entra no site, disponibiliza o acesso de áudio e vídeo de seu computador e passa a interagir com os demais usuários. Como o inglês é uma língua universal, você poderá conversar com americanos e ingleses nativos, mas também com pessoas de outras nacionalidades que já têm fluência no idioma ou que, assim como você, estão exercitando o que sabem.

Podemos garantir que, não importa o seu nível de conhecimento do idioma, essas ferramentas são ótimas para se exercitar na prática. Além disso, são de graça e você não tem obrigação de manter contato com quem conversar pelo chat.

11. Entenda que até os fluentes erram

Qualquer idioma é um complexo conjunto de sinais e regras que transmitem alguma mensagem. No entanto, é muito difícil não cometer erros se tratando de línguas. Você, por exemplo, é fluente em sua língua nativa, certo? No entanto, é muito provável que, mesmo assim, você ocasionalmente cometa erros ao falar ou escrever em português.

E isso não é justificável apenas pelo fato do nosso idioma ser complexo, cheio de regras difíceis e variações quase que intermináveis. Mesmo os americanos ou britânicos cometem erros em sua língua. Muitas das vezes, até erros tolos que um estudante de inglês não cometeria.

Então, evitar conversar com um colega de trabalho de um país cujo idioma oficial é o inglês não se justifica pelo medo de cometer erros de pronúncia, por exemplo. Para o nativo em um idioma, o que é verdadeiramente importante é a sua capacidade de interação e a sua habilidade de se comunicar.

Obviamente, isso não quer dizer que você não deva ter cuidado na construção das orações ou no uso da gramática. Afinal, também é preciso se atentar a essas questões para se fazer entender por outra pessoa, independentemente do idioma.

12. Conte com a ajuda de um professor 

Muito se engana quem acredita que professores particulares são recomendados apenas para quem está começando a aprender um novo idioma. Lógico que, para essas pessoas, a presença de um professor — principalmente se for particular — é essencial. Mas um profissional especialista em lecionar inglês, por exemplo, é uma excelente ajuda para quem deseja fazer a manutenção do idioma e treinar a conversação.

Existem professores que focam quase exclusivamente no aprimoramento da conversação. Eles se utilizam de técnicas especiais — algumas até similares às que abordamos neste artigo — para estimular o desenvolvimento dos seus alunos. Além disso, todo idioma é um sistema vivo e em constante transformação. A prova dessa afirmação é a variação de gírias conforme a época.

Da mesma forma que a língua portuguesa sofreu mudanças do século passado para cá, o inglês também — tanto que até citamos uma de suas variações: o inglês arcaico. E olha que nem mencionamos as muitas variações de vocabulários e até de pronúncias. Tal qual o Brasil, os Estados Unidos e a Inglaterra são países com diferenças bem notáveis. Mas, com o auxílio de um bom professor, certamente você será capaz de perceber essas variações do inglês e, inclusive, aprendê-las.

Ao longo desse artigo, mostramos que é possível sim se livrar do medo de falar inglês ou qualquer outro idioma. O primeiro passo, e mais importante, é se dedicar com afinco a essa tarefa de vencer seu medo de falar em público. 

Seguindo as dicas que abordamos durante o texto, não temos dúvidas de você será capaz de se livrar de seus receios. Com isso, também incrementará seus conhecimentos da língua inglesa e ainda dará um show nas interações com seus colegas de trabalho e outros profissionais que também falam o idioma.

Porém, se você ainda não se sente bem preparado ou precisa de um suporte profissional para vencer essas barreiras e rir muito desse medo de falar inglês no futuro, não se preocupe. Entre em contato com a Fluenglish para conhecer melhor o nosso trabalho e saber como podemos te ajudar!

Sobre o autor

Fluenglish

Deixar comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer saber mais sobre as novidades em RH?Inscreva-se em nossa newsletter